Vídeos

A Revolução Alimentar – Dr. Andreas Eenfeldt

Nessa palestra proferida no ano de 2011, o Dr. Andreas Eenfeldt, MD, fala sobre a Revolução da Alimentação que vem ocorrendo na Suécia: a dieta LCHF (Baixo Carboidrato e Alta Gordura). Aborda também a epidemia de obesidade nos EUA e no mundo – e como podemos nos livrar dela.

O Vídeo abaixo foi traduzido por Juliana da Rocha Vieira. O link para seu canal do youtube é esse: https://www.youtube.com/channel/UCa90Gjmx4N7NltsrhBMyB4w

O vídeo original, sem legendas está aqui: The Foof Revolution – AHS 2011.

A transcrição integral da legenda criada por Juliana da Rocha no vídeo “A Revolução Alimentar” está aqui:

Ok, a palestra final dessa sessão é a do Dr. Andreas Eenfeldt, esse jovem fortão aqui do meu lado.
Talvez não tão forte quanto o “David” de Michelangelo, mas ainda assim impressionante, que vai nos falar sobre a Revolução Alimentar.

Vamos aplaudi-lo!

Ok, obrigado.

Então, meu nome é Andreas Eenfeldt e eu sou médico na Suécia.

Isso explica o sotaque.

Vou falar da Revolução Alimentar que está ocorrendo na Suécia.

As pessoas comendo comida de verdade e melhorando sua saúde. E como, talvez, a mesma coisa possa acontecer nos EUA em breve.

Mas vamos começar com o David aqui. Essa estátua famosa de Michelangelo. É uma obra da Renascença, do séc. XVI na Itália.

Mas isso foi quando o David morava na Itália. Depois ele foi morar nos EUA, e começou a assistir o Dr. OZ na TV. E aconteceu isso aqui. Não é muito bonito, mas claro que o David não está sozinho. Porque a obesidade se tornou recentemente um enorme problema em todo o mundo ocidental, incluindo muitos dos meus pacientes.

E a pergunta a ser feita é Por que? E o que podemos fazer em relação a isso? Estou tentando fazer o que eu posso.

Então comecei um blog na Suécia três anos atrás. Chama-se “Diet Doctor” em inglês. E tem sido uma experiência interessante porque, no começo, o blog tinha quinhentas visitas todos os dias. O que já deixava claro que havia um grande interesse em assuntos como alimentação e saúde. Um ano depois, já eram cerca de cinco mil visitas todos os dias.

E, esse ano, esse número cresceu para dezenove mil visitas por dia, o que é um número bem alto para um país tão pequeno. Portanto, algo grande vem acontecendo na Suécia, e para entendermos o que é temos que voltar uns milhões de anos no tempo. Então, essa é uma visão básica da evolução humana. E eu só tenho uma coisa a dizer sobre ela. Isso aqui levou milhões de anos. Ou seja, leva muito tempo para mudar nossos genes.

Mas a epidemia de obesidade moderna não levou milhões de anos. Conforme sabemos, ela pode ter começado devagar muito tempo atrás mas a maior parte dessa epidemia concentrou-se nos últimos 27 anos.

E como isso é possível? Algo deve ter mudado no ambiente E o que aconteceu 27 anos atrás? Em 1984? Bem…

Um exemplo:

Uma grande campanha foi lançada para ensinar o povo americano a temer a Gordura e o Colesterol. E a ideia era que comidas como ovos e bacon aumentam o colesterol no seu sangue. E que isso poderia causar doenças do coração. Mas essa foi uma teoria não comprovada dos anos 80.

Então, podemos dizer que esta campanha foi um experimento, e, na época, houve cientistas que levantaram questionamentos como “isso pode gerar consequências imprevisíveis!” “Coisas que não pensamos”

E, talvez, uma dessas consequências nós pudéssemos ter previsto que é “Se consumirmos menos quantidade um tipo de comida, vamos ter que consumir mais quantidade de outro tipo”.

A menos que a gente queira sentir fome o tempo todo. E se você comer menos gordura vai ter que comer mais carboidratos. Coisas como pão, massas e açúcar. Mas todos os carboidratos tornam-se açúcar no organismo, e quando são absorvidos no sangue
aumentando a glicemia o corpo produz o hormônio Insulina, como sabemos, que é também o principal hormônio de acúmulo de gordura.

Então, ironicamente, isso é o que poderia acontecer:

Comer menos gordura poderia aumentar nossos problemas com obesidade, mas, alguns de vocês podem estar pensando “Calma aí! Não é tão simples assim.” E a população Kitavan sobre os quais o Prof. Lindberg nos falou. Eles comiam muitas frutas e vegetais, que são carboidratos, e não eram gordos. Na verdade, eles estavam em forma e saudáveis. E todos os asiáticos comendo tanto arroz? Nunca houve nenhuma epidemia de obesidade nesses países.

Portanto, é óbvio que podemos nos dar bem com isso. Você pode comer uma quantidade grande de carboidratos e não engordar. Porém, todas essas populações estavam comendo amido não refinado. Não farinha de trigo branca. E eles também não estavam comendo açúcar refinado ou frutose.

No mundo ocidental nós não substituímos a gordura apenas com frutas e vegetais, ou por arroz integral… Nós substituímos a gordura com rosquinhas açucaradas, batata frita, sorvete, pão, refrigerante e suco, por exemplo. E esses são carboidratos rapidamente digeridos. Eles aumentam rapidamente o açúcar no sangue Fazem a insulina subir. E caso você for sensível, isso pode fazer você ganhar peso.

Mas é claro que isso tudo é apenas teoria.

Só que hoje, sabemos o que acontece, pois testamos a recomendação para ingerirmos pouca gordura. Foi um experimento sem controle, possivelmente sem ética. Aqui vemos estatísticas oficiais sobre a obesidade nos EUA…

Em 1985…

Quantos aqui já viram essas estatísticas? Mais ou menos a metade. É bem impressionante, não é? Esse foi o contexto da campanha para começarmos a temer a gordura. Se vocês repararem nos estados, os estados em azul apresentavam mais ou menos 10% de obesidade, e os estados brancos nem sequer apresentavam dados, porque a obesidade nem sequer era um problema à época.

Mas vamos dar uma olhada nos intervalos de dois em dois anos…,

1987
1989
1991
1993
1995

Vejam que algo está acontecendo muito rápido nos estados em azul escuro. Eles nem estavam no mapa dez anos antes e agora já representam metade do país com 15% de obesidade.

É um aumento absurdo!

1997
1999
2001
2003
2007
E ano passado…

Isso é um absurdo, não é?

Os estados em amarelo apresentam 20% de obesidade. Ou seja, o dobro em relação a pouco tempo atrás. E os estados em laranja têm mais de 25% de obesidade. E os em vermelho, mais de 30%.

A epidemia de obesidade tem se espalhado como um câncer por todo o país, e ver americanos obesos hoje é comum. Tudo isso em poucas décadas. Menos de uma geração. E as crianças também são afetadas!

Então fica claro que este não é um problema genético. É algo no ambiente! E começou quando começamos a ingerir carboidratos refinados e açúcar em vez de gordura. E fica ainda pior, pois a obesidade não é apenas um problema cosmético.

Ela está fortemente associada a muitos tipos de doenças ocidentais como o diabetes, doenças do coração e mesmo o câncer. E a visão tradicional é a de que a obesidade causa essas outras doenças. Mas isso não é necessariamente a verdade
É plenamente possível afirmarmos que a mesma coisa que nos deixa gordos, nos deixa também doentes.

De qualquer modo não há nenhum sinal de que essa epidemia esteja diminuindo. A obesidade cresce a cada ano nos EUA.

E nos perguntamos onde isso vai parar?

E, de acordo com alguns pesquisadores, se nada for feito TODOS os americanos estarão obesos ou com sobrepeso até o ano de 2048.

Ninguém mais será normal…E isso é loucura.

Não está certo, e temos que fazer algo a respeito.

E, talvez, possamos aprender algo de onde eu venho…A Suécia, um país pequeno no norte da Europa. A população é de aproximadamente 9 milhões de pessoas. E somos conhecidos por, pelo menos, três coisas:

– O ABBA
– O prêmio Nobel

E finalmente:

– As Dietas da Moda

Esse é o periódico The Lancet! Um periódico muito renomado. E recentemente eles publicaram um artigo chamado “Dietas da Moda justamente na Suécia”.

Pois eles ficaram pasmos com a popularidade de uma dieta chamada LCHF, que quer dizer “Low Carb High Fat” (baixo carbo e alta gordura).
É basicamente uma dieta de baixo carboidrato em que removemos todo o açúcar e as farinhas, como o pão, por exemplo. E o objetivo é perder peso e melhorar a saúde
E o foco é na Comida de Verdade, como carne, peixe, ovos e muitos vegetais.

Sendo que a diferença entre esta dieta e as dietas Paleo é que a LCHF permite laticínios ricos em gordura, como manteiga, queijo e alguns cremes, com exceção do leite ou leite desnatado, pois eles têm muito carboidrato.

E também porque as proteínas do leite não fazem muito bem. Mas a questão é:
Primeiramente, não há restrição de gorduras saturadas, o que deixa algumas pessoas bem nervosas…

Vamos chegar nesse ponto.

Mas primeiro vamos pensar: essa é uma dieta da moda mesmo?

Vamos discutir isso também após analisarmos…Vejam aqui as vendas de manteiga na Suécia desde 1995 até alguns anos atrás. Reparem que ela diminuiu mais da metade.
Possivelmente porque estávamos seguindo as mesmas recomendações para evitarmos gorduras saturadas para prevenirmos, principalmente, doenças cardiovasculares, mas também devido ao pensamento de que, ao eliminarmos essas comidas calóricas, emagreceríamos.

Mas houve um problema: isso não funcionou nos EUA

E, se olharmos as estatísticas de obesidade e sobrepeso na Suécia, veremos que também não funcionou, pois no mesmo período, os problemas com obesidade aumentaram. Mas, ao olharmos a ponta direita do gráfico da manteiga veremos que o consumo dela está aumentando novamente, e cresceu ainda mais no último ano.

E vejam que, coincidentemente, a epidemia de obesidade parece estar diminuindo, e eu acredito que seja possível revertê-la.

O que será que aconteceu nos últimos anos aqui?
Bem, muitas coisas…mas teve um evento que deixou a mídia muito interessada nas dietas de baixo carboidrato!

E começou com essa mulher…Uma médica chamada Annika Dahlqvist – Clínica Geral
E ela própria tinha problemas de peso. Tentou perder peso, sem sucesso, de diversas maneiras. Aí ela encontrou as dietas Low Carb. E perdeu o peso em excesso. E melhorou sua saúde…

Então ela começou a aconselhar seus pacientes da mesma maneira e eles perderam peso e se sentiram melhor.

Então, ela começou um blog, e ele ficou famoso! Foi parar nos jornais e na TV, e é claro, nem todos ficaram felizes com isso. E foi aí que dois nutricionistas notificaram a maior autoridade médica da Suécia, o Conselho Nacional de Saúde e Bem Estar, pois eles acharam que recomendar a pacientes obesos e diabéticos que ingerissem gordura não era certo.

Eles pensaram, com certeza, que os pacientes morreriam!

É claro que o Conselho Nacional de Saúde e Bem Estar descobriu logo que a situação seria complicada. Eles deveriam repreender a médica? Deveriam caçar sua licença?
Tiveram que investigar. E isso levou dois anos…E em janeiro de 2008.

Eles chegaram a uma conclusão e anunciaram que a prática estava correta. Concluiram que a médica poderia aconselhar seus pacientes a comer pouco carboidrato e muita gordura, pois, como afirmaram “Hoje as dietas Low Carb podem ser consideradas compatíveis com evidências científicas e com a boa prática médica para a perda de peso, pois há inúmeros estudos comprovando sua efetividade a curto prazo e não há evidência de riscos”.

Como podem imaginar

Legal, né!?

Podem imaginar como isso afetou o debate, porque isso acabou em todos os jornais e canais de televisão.

As dietas Low Carb vinham sendo consideradas dietas da moda perigosas, mas agora a maior autoridade médica da Suécia dizia o contrário. Eles disseram que essa dieta funciona e que não oferece riscos à saúde. Isso foi, portanto, uma revolução no debate
E essa forma de alimentar-se vem ganhando popularidade. E hoje, de acordo com uma pesquisa recente 23% dos suecos vem tentando diminuir sua ingestão de carboidratos o que eu considero um número grande de pessoas.

Então nos perguntamos é realmente uma dieta da moda?

Ou será que essa é uma dieta da moda?

A pirâmide nutricional e esse site multimilionário, o “MyPlate”, ambos baseados nessa velha ideia de que a gordura aumenta o colesterol e causa doenças do coração. Mas, será que é verdade?

Após meio século de pesquisa temos uma resposta através da revisão das evidências.
E a resposta é não, não funciona! Evitar gorduras saturadas não nos faz viver mais, nem previne mortes do coração.

Na verdade, se observarmos os dados veremos que não há relação! Ou seja, pessoas que consomem muita gordura saturada não adoecem mais do que aquelas que a evitam.
Portanto, não é verdade, e, se quiserem ver esses estudos, eles estão disponíveis no meu site DietDoctor.com/Science

Alguns aqui devem estar se perguntando: E o colesterol?
Pois é verdade que evitar gorduras e manteiga vai baixar seu colesterol.

Mas o ponto é que a questão não é tão simples.

O colesterol que baixa mais é o HDL! O colesterol bom.

E isso é ruim. Além disso, as partículas de LDL ficam mais densas, o que também é muito ruim.

Então, evitar gordura não ajuda no colesterol. E, na Suécia, muitas autoridades estão começando a reconhecer isso em público…

Como é o caso de um professor chamado Goran Berglund, que declarou o seguinte no maior jornal da Suécia: “Duas gerações de suecos receberam maus conselhos nutricionais e evitaram gorduras sem razão. É hora de reescrevermos as recomendações nutricionais e baseá-las na ciência moderna”.

É muito relevante quando um pesquisador como ele diz uma coisa dessas, pois ele é ativo nesse tipo de pesquisa.

Outro exemplo, outro professor…”As pessoas vêm recomendando dietas de baixa gordura há anos e hoje vemos que isso está completamente errado. Não há correlação comprovada entre gorduras saturadas e doenças cardiovasculares”.

E há um terceiro exemplo, outro professor, pesquisador de doenças do coração:
“Está na hora de encararmos os fatos. Não há correlação entre gorduras saturadas e doenças cardiovasculares”

A pergunta que fica é: quem se importa com isso? É apenas uma discussão acadêmica? Isso tem significado prático?

Bem, o medo das gorduras saturadas é a base das recomendações nutricionais das últimas décadas. E, quando a base cai por terra toda a lógica da Dieta de Baixa Gordura cai por terra, também. Então, eu diria, que isso aqui é uma dieta da moda!

E é hora de acabar com essas recomendações. E agora chegamos a uma mudança de paradigma. Assim como no século XVI as pessoas acreditavam que a Terra era o centro do universo, e depois descobriram que não era bem assim, era o contrário, a Terra gira em torno do Sol.

Mas levou muito tempo para a ciência reconhecer isso…Leva tempo mesmo…

E eu acho que essa mudança de paradigma está começando agora! E penso que o que vai acontecer será isso aqui:

Pensávamos que a gordura saturada era ruim, e hoje vemos que ela é segura. Pensávamos que os carboidratos eram bons.

Vemos hoje que eles podem ser um problema, que, em excesso, eles nos tornam gordos e doentes.

E é muito interessante analisarmos a ciência por trás das dietas de baixo carboidrato.

Vamos analisarmos dois aspectos: perda de peso e diabetes

Começando com a perda de Peso, hoje se diz que não importa muito O QUE você come, mas sim as calorias. Mas, quando colocamos isso à prova, não é tão simples assim, pois nos estudos científicos, toda vez, as dietas Low Carb, comprovadamente, apresentam mais perda de peso.

Vejam aqui os resultados após 1 ano…

Depois de 2 anos…

Resultados significativamente melhores do que os obtidos com dietas de baixa gordura

A diferença confunde-se um pouco, mas tem a questão do baixo comprometimento a longo prazo.

Mas ao observarmos experimentos de curta duração, em que o comprometimento é maior, vemos que as dietas Low Carb dão muito mais resultado do que as dietas de baixa gordura, estudo após estudo!

Na verdade, quando olhamos todos os experimentos randômicos controlados, em que foram encontradas diferenças significativas, o resultado é o seguinte.

Há 14 estudos…em quantos vocês acham que as dietas de baixo carboidrato ganharam das dietas de baixa gordura? Foi um resultado de 14 a 0.

As dietas de baixa gordura não ganharam uma vez sequer. Se quiserem conferir os estudos, eles estão na minha página também. Eu acho isso tudo muito intrigante.

Hoje em dia, pacientes obesos continuam recebendo recomendações erradas. São levados a evitar gorduras e calorias. E o que acontece quando eles não conseguem perder peso com esses conselhos furados?

Será que eles, então, recebem recomendações mais efetivas? Não!

Em vez disso, concluímos que eles são gulosos, preguiçosos e que não têm jeito. E aí, cortamos seu estômago para que parem de comer.

A cirurgia bariátrica tem se tornado uma das cirurgias mais comuns no mundo. E, eu acredito, que precisamos de um choque de realidade, porque estamos removendo órgãos saudáveis! É como se tentássemos adaptar nosso corpo cirurgicamente às comidas industriais.

Mas que tal tentarmos ajudar as pessoas, dando a elas conselhos melhores? Conselhos que as ajudem a perder peso, evitando açúcar e farinhas!

Esse é um amigo meu, norueguês Ronnie Mattison. Em Paris, alguns anos atrás…
De lá pra cá, ele perdeu bastante peso comendo muita gordura e pouco carboidrato!

E ele fez um filme usando fotos de antes e depois, que ele nos disponibilizou para vermos. Então aqui está o antes…E vemos que tem algo acontecendo. Ele estava comendo tudo que queria apenas evitando açúcar e farinhas. E vemos a gordura derretendo e indo embora

Aqui o vemos de lado…a gordura sumindo sem nenhuma restrição de calorias voluntária, comendo toda a comida de verdade que ele deseja.

Podemos fazer o processo inverso e aí temos uma boa metáfora sobre a população do ocidente que come mais açúcar e farinhas do que está adaptada a comer.

Vejamos: Isso foi o que aconteceu aos EUA.

O problema: açúcar e farinhas demais.

E a solução: livrarmo-nos deles!
E é isso o que acontece. Eu mostrei a vocês uma foto do Ronnie em Paris alguns anos atrás… E aqui está ele em Paris na semana passada
Bonitão e se sentindo muito bem!

Hoje ele não está mais em Paris…Está nos EUA, em Los Angeles, e está sentado bem aqui. Então, se quiserem saber como perder peso sem passar fome, podem perguntar diretamente ao Ronnie, ou podem entrar no meu site DietDoctor.com/LCHF para ver um guia totalmente de graça.

Mas, a perda de peso não é tudo. Se observarmos esses experimentos sobre perda de peso, esses experimentos randomizados controlados, vemos que surge um padrão interessante…

Vejam os experimentos aqui à esquerda, e vejam os diferentes fatores à esquerda, como a perda de peso. Os quadrados em azul escuro mostram diferenças significativas favoráveis à dieta de baixo carboidrato. Muitos para perda de peso, mas também para taxas de glicemia, Colesterol HDL, Triglicerídeos, pressão sanguínea.

Nem um estudo sequer demonstrou vantagem das dietas de baixa gordura. Todos apontaram vantagens da dieta de baixo carboidrato! E esses são fatores da síndrome metabólica. Como vocês sabem, isso aqui é obesidade e diabetes.

Então, vamos falar de diabetes!

Sabemos o que é o diabetes. É basicamente açúcar demais no sangue. E, de onde vem o açúcar no sangue? Principalmente, da nossa dieta dos carboidratos que transformam-se em açúcar quando digeridos. É interessante, pois o diabetes é um problema enorme.
Havia milhões de diabéticos nos anos 80, e estaremos chegando em quase meio bilhão em algumas décadas. É uma explosão! E pior…As pessoas que têm diabetes, não tendem a melhorar. Elas tendem a ficar mais e mais doentes a cada ano. E que tipo de conselhos damos a elas?

Um conselho doentio, talvez? Afinal, a base da pirâmide nutricional é formada por alimentos feitos de farinha. Exatamente os alimentos que aumentam o açúcar no sangue, pois, ao serem digeridos, transformam-se em glicose. Glicose que entrará na corrente sanguínea, certo!?

Ironicamente, há cem anos as pessoas já sabiam que os diabéticos deviam evitar carboidratos. Este é um livro de culinária de 1917. Vocês podem procurá-lo no Google e lê-lo. Aqui nas páginas 12 e 13 há um resumo.

À direita estão as comidas a serem evitadas pelos diabéticos.

Número 1: açúcar

Número 2: amidos/farinhas

E aí, há exemplos trigo, pão, biscoitos, arroz, massas.

Na verdade, o título da página é “Comidas Estritamente Proibidas”, e que hoje são a base da pirâmide alimentar. Quando temos uma epidemia de diabetes. Quando temos diabéticos ficando mais doentes a cada ano. Coincidência? Eu não acho!

Vamos olhar o lado esquerdo as comidas indicadas. São as gorduras manteiga e azeite de oliva. Todos os tipos de carne, peixe e ovos. Essa era a comida indicada a diabéticos
Cem anos atrás!

E adivinhem funciona muito bem para meus pacientes ainda hoje. Na Suécia
todos melhoraram sua glicemia comendo dessa maneira. E melhoraram muitas outras coisas também!

Eu gostaria de comentar todos os estudos que testaram isso aqui, e que mostraram bons resultados. Mas não há tempo suficiente. E vocês podem conferir meu site também

Em vez disso, quero mostrar a vocês como comprovar tudo isso por si mesmos, sem ler nem um estudo sequer. Essa foi uma refeição que eu comi no ano passado. Um grande pedaço de carne feito na manteiga. Vegetais feitos na manteiga, e um molho holandês.
Sabem o que é? É feito de manteiga e gemas de ovo.

É o pesadelo de qualquer nutricionista. É tudo caseiro. Então eu sei como foi feito. E aqui há muita gordura saturada. E muita proteína, mas quase nenhum carboidrato. Então, o que será que acontece com minha glicemia quando como isso?

Decidi testar!

E sabemos que a taxa de glicemia em jejum fica entre 72 e 108, e que ela pode se elevar quando comemos. E aqui na horizontal temos o tempo até seis horas após a refeição
E foi isso o que aconteceu! Não foi uma noite muito emocionante, pois nada aconteceu.
Portanto, se não comemos carboidratos, não temos glicose no sangue. E nada acontece com seu açúcar no sangue.

Não é uma ciência muito complicada, mas, para compararmos de maneira interessante, eu fui ao Congresso Internacional de Obesidade que é uma conferência importantíssima para médicos e pesquisadores da obesidade. Uma vez por ano, mais ou menos 10 mil profissionais se reúnem e discutem a ciência sobre o tema e, ano passado, foi em Estocolmo, na Suécia.

Então eu fui, e foi lá que eu comi o pior almoço que tive em anos
Aqui vocês podem ver um pouco…

E, se não acreditarem podem ler ali “Congresso Internacional de Obesidade – Estocolmo – / Almoço de hoje”

E era isso aí. Não tinha alternativas. Só tinha isso.

Era basicamente açúcar. Muito açúcar no iogurte
Eram 14g de açúcar a cada 100g de iogurte, o que é muito. Aí tinha mais açúcar em sua embalagem natural, na fruta e carboidrato puro.
Alguns podem estar pensando que no sanduíche tinha algo de bom, tipo uma proteína, mas não era o caso…Era para ser um sanduíche de atum, mas tinha atum em doses homeopáticas, então, não conta. Portanto eu diria que tudo isso era apenas açúcar e amido, e, apenas para comparar, aqui está a refeição antiga…

E aqui está a do Congresso…

Foi chocante ver um aumento tão grande. Talvez eu não esteja mais acostumado com tanto carboidrato. A glicemia subiu a 179 em uma hora, depois caiu rapidamente. E depois de 3 horas ficou abaixo dos níveis de jejum, o que também é interessante, pois eu me senti com muita fome.

Pouco depois queria comer algo… Não comi!

Mas é interessante como esse tipo de comida faz você ficar com mais fome depois. Aí, você acaba comendo mais e ganhando peso.

De qualquer modo esses resultados são considerados saudáveis de acordo com as recomendações atuais. Se eu fosse diabético, o resultado teria sido ainda pior…poderia ter saído acima da tabela. Então qual dieta vocês acham que deveria ser indicada para diabéticos? Pois essa não é permitida de acordo com os médicos.

Mas eu, particularmente, acredito que os diabéticos deveriam comer assim. E meus pacientes que comem dessa maneira se saem muito bem na minha experiência.
Mas esse não é o tipo de conselho que os diabéticos recebem de médicos e nutricionistas hoje. Esse aqui é um folder gratuito da Suécia. O título é “Comidas para Diabéticos”. E vejam que há muita fruta aqui. E muitos podem discordar, mas eu não creio que essa seja a melhor comida para diabéticos. E acho que muitos de vocês concordam.

Mas, reparem que fica pior quando abrimos o folder, pois ele diz que alimentos que aumentam a glicose lentamente são bons. Por exemplo, frutas, arroz, massas, batatas e pão, exatamente os alimentos que eram estritamente proibidos cem anos atrás, exatamente os alimentos que se transformam em glicose no sangue. Comidas que aumentam o açúcar no sangue, como eles mesmos afirmam aqui! Mas quem será que distribui esses folderes gratuitos? Neste caso, é um laboratório de medicamentos, o que é intrigante.

Se pensarmos o que eles vendem? Remédios para diminuir o açúcar no sangue. E, quando eles distribuem material que aconselha diabéticos a aumentar o açúcar em seu sangue os pacientes vão ficar ainda mais doentes e precisar de mais medicação…

E assim, o laboratório vai lucrar mais.

Eu acho que isso é um problema sério, e acho que temos muitos problemas em nossa sociedade atual. E pergunta que eu proponho é: Como podemos mudar isso? Parece uma coisa bem difícil de se fazer porque há muitos interesses econômicos em jogo.

Não apenas a indústria farmacêutica, mas também a indústria alimentícia com seus produtos sem gordura, e mesmo o USDA, o Departamento de Agricultura dos EUA
que dá recomendações aos americanos, afinal, eu não acho que o Depart. de Agricultura vai parar de recomendar grãos tão cedo.

Por isso, não acho que as mudanças vão começar nesse nível Acho que a mudança vai ter que começar de baixo, de gente como nós! Mas como? Eu, particularmente, acredito na difusão dessas ideias de forma viral. Ou seja se tivermos uma ideia, um método que funcione as pessoas vão testar, vão sentir-se melhor e perder peso. Elas, então, vão contar a seus amigos… ou eles perguntarão a elas e a ideia vai se espalhar como uma infecção viral, mas uma boa! Essa é a ideia!

E é claro que temos que usar a mídia E por que não essa mídia moderna, como blogs?
Conferências como essa? Livros? E, por que não jornais e a TV? Afinal, eles essas mídias amam histórias de perda de peso e melhora da saúde através de shakes.

Então, acho que eles se interessariam e divulgariam, e talvez devêssemos acreditar na mensagem da dieta Paleo. Eu creio que a comunidade Paleo e a comunidade LCHF podem aprender muito uma com a outra, e beneficiarem-se com isso!

Então acho que devemos pensar no seguinte: Creio que é bom concentramo-nos nos aspectos da saúde. Não é apenas o peso!

As dietas de baixo carboidrato têm a ver com a saúde e muitos estudos comprovam isso. Outra coisa muito comentada hoje é a questão da Comida de Verdade. E, nesse aspecto, acredito que a comunidade LCHF tem muito a aprender com a comunidade Paleo, pois há um problema sério com as dietas Low Carb, especialmente nos EUA.

O macarrão da Dream Fields!

É claro que não é o único problema, mas é um bom exemplo, pois ele é chamado de macarrão de baixo carboidrato. Só que é feito justamente de trigo, como qualquer outro macarrão. Como é possível?

Bem, eles dizem que o macarrão passa por um processo patenteado que torna o trigo não digerível. Portanto, a maior parte dos carboidratos passaria diretamente pelo seu sistema digestivo, e apenas um pouco deles seria absorvido. E isso é bom demais pra ser verdade!

E eu sei que não é verdade, porque testei em mim mesmo, e não funcionou. Mas vocês não precisam acreditar em mim, pois esse é um exemplo muito bom, e que foi testado por cientistas “verdadeiros” em um periódico muito bom chamado “Diabetic Care”.

Alguns estudiosos ficaram muito surpresos com a ideia de que seria possível comer massa em uma dieta Low Carb, então eles quiseram colher os dados da empresa para dar uma olhada, mas a empresa não disponibilizou. Então, eles tiveram que testar por eles mesmos. Assim, eles usaram voluntários que ingeriram o macarrão da Dream Fields, e também um macarrão convencional em outro momento.

Aí, eles checaram a glicemia E sabem o que descobriram?

Nenhuma diferença!…O que, para mim, é incrível!

Eles chamam de Fatos Nutricionais, mas eu chamo de Ficções Nutricionais Acho que é um conto de fadas, para as pessoas que desejam consumir massas numa dieta de baixo carboidrato. É claro que queremos acreditar, e há muitos desses contos de fadas Low Carb por aí.

Três exemplos:

Aqui temos pão feito de trigo…

E é chamado de pão de baixo carboidrato….

Eu digo que ele é um pão de alto carboidrato

Aqui temos sorvete feito com muito açúcar e adoçantes. Eu o chamaria de um produto de alto carboidrato E até mesmo a empresa Atkins está se envergonhando ao vender biscoitos Atkins. Sabem qual é o principal ingrediente desses biscoitos? Podem adivinhar?

É trigo!

E outro ingrediente principal são os adoçantes! É basicamente TUDO carboidrato

E é uma empresa Low Carb vendendo produtos de alto carboidrato! Isso não é bom!

Creio que devemos nos focar realmente em Comida de Verdade,
como carnes, peixe, vegetais e, talvez, se você for corajoso, manteiga!

Eu creio que essa dieta ajuda muitas pessoas de verdade, Melhora sua saúde e os faz comer melhor em comparação com as recomendações antigas, que só beneficiam as indústrias que lucram com a situação atual.

Finalmente, acho bom destacar que tudo isso se baseia em ciência moderna. Ciência que comprova sua eficácia! O oposto da ciência antiga que dizia que dietas de baixa gordura nos protegeriam de doenças do coração. Mas que não funcionou!

E, nesse ponto, acho que a comunidade Paleo tem muito a se beneficiar dos estudos sobre Low Carb, pois, como foi dito antes, existem alguns bons estudos sobre a dieta Paleo, mas são poucos e muito pequenos.

Mas há muitos estudos sobre restrição de carboidratos, tanto sobre perda de peso quanto sobre diabetes…E acho que não usamos isso! E acho que, como foi dito ontem, não nos tornemos religiosos sobre isso, nem dogmáticos, mas vamos tentar nos manter informados para aprendermos mais e melhorarmos para tornar nossa ideia o mais próximo do ideal possível.

E, se fizermos isso, acho que não precisamos temer esses caras aqui, pois, como disse Vitor Hugo, “não existe exército que resista à força de uma ideia que a seu tempo tenha chegado” Tendo dito isso, gostaria de terminar com a história do Kenneth Jacobs. Ele teve diabetes tipo 2 desde muito cedo. Aos 40 anos
engordou, chegando a pesar 113 kg. Teve problemas do coração…

Teve um ataque do coração atrás do outro, até que chegou ao sétimo! Precisou de uma cirurgia para levar ar para seu coração e tomava 12 remédios por dia para controlar seus fatores de risco. Tinha dores crônicas! Sentia-se cansado o tempo todo, e sua vida estava bem debilitada.

Até que um dia, pouco mais de um ano atrás, quando foi ao mercado e, por alguma razão, ele começou a conversar na seção de laticínios, sobre manteiga, com um homem que ele não conhecia. E esse homem disse ao Kenneth que ele e sua esposa vinham fazendo a dieta LCHF (baixo carbo e alta gordura).

Disse que tinham perdido peso, que se sentiam ótimos e que sua esposa tinha se livrado do diabetes. E o Kenneth ficou muito intrigado. Ele pegou o endereço de um site e foi para casa para pesquisar, e no dia seguinte, ele começou a comer Comida de Verdade, com exceção de açúcar e farinhas. Um pouco mais de um ano depois o Kenneth não pesa mais 113kg, mas sim 83kg.

Ele não precisa mais de remédios! Agora ele só toma um!

E quando foi ao médico há alguns meses para um check up sua pressão arterial estava normal…seu colesterol estava bom…e sua glicemia estava normal, sem medicação.

Ou seja, sua saúde estava perfeita e hoje em dia ele faz o que gosta, andar de moto. Como médico, vejo casos parecidos a todo momento. E isso é importante, pois ao redor do mundo milhões, ou centenas de milhões de pessoas como o Kenneth poderiam começar a comer Comida de Verdade e melhorar sua saúde.

A boa notícia é que esse momento vai chegar em breve!

Eu acredito nisso porque as evidências estão aí. A mudança de paradigma está próxima, e pessoas como nós podem fazer isso acontecer.

Podemos mudar o mundo!

Obrigado!

Tags : dieta de baixo carboidratoDr. Andreas Eenfeldtlow carbObesidadevideo
Dr. João Eschiletti

The author Dr. João Eschiletti

Dr. João Carlos Correa Eschiletti (CREMERS 11095 – RQE 11861) é formado pela UFRGS em 1980. É médico nutrólogo pela Associação Brasileira de Nutrologia ABRAN, CFN, MEC. Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, é mestre em Medicina pela Universidade de Porto – Portugal.

Leave a Response